Logo | MedGuideXP

Fluidoterapia no paciente crítico | Parte I

Introdução e conceitos 

● A administração de fluidos EV deve ser visto como o uso de qualquer outro remédio. Ele possui indicação, contra-indicação e efeitos adversos. Fluidos em excesso ou de menos podem ter consequências graves para o doente 

● A fluidoterapia tem função de restaurar e manter a perfusão tecidual, possuindo papel central na ressuscitação de pacientes críticos. Ela pode ser dividida em quatro fases: 

Ressuscitação: fase inicial na qual o paciente precisa de grande volume em pouco tempo. Aproximadamente 30 ml/kg em 1 hora 

Otimização: após ressuscitação inicial, diminuir volume e velocidade e avaliar fluido responsividade. Além disso, realizar dosagem seriada de lactato para acompanhar melhora da perfusão 

Estabilização: interrupção da infusão agressiva de fluido é só dar volume se necessário. Evitar balanço hídrico (BH) positivo 

Descalonamento: fase de negativação do BH. Pode ser usado diuréticos ou terapia de substituição renal, se necessário 

● A fluido responsividade se relaciona com a fase de rampa da Curva de Frank-Starling, na qual há aumento do volume sistólico (VS) ou do débito cardíaco (DC) após aumento da pré-carga com a infusão de volume. 

○ Fluido Responsividade ≠ necessidade de volume 

○ Exemplos de métodos de avaliação do estado volêmico: clínica, Pressão Venosa Central (PVC), Pressão de Oclusão da Artéria Pulmonar (POAP), Termodiluição via cateter de Swan-Ganz, Ecocardiograma à beira-leito, monitores de débito cardíaco (DC) 

Métodos para avaliação da fluido responsividade: 

■ ΔPP e VVS: pacientes em modo controlado de VM com Vt 8ml/kg, sem arritmias, sem taquipneia, dentre outros pré-requisitos 

■ Prova de volume: 100-200 ml e reavaliação da monitorização ■ Elevação passiva das pernas: mobilização de sangue venoso dos membros inferiores para cavidade torácica e reavaliação


Post elaborado por:

Dr Yuri | MedGuideXP

DR. YURI ALBUQUERQUE

Médico formado pela Universidade Gama Filho no Rio de Janeiro, com residências em clínica médica pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2015-2017), ano complementar em clínica médica (R3) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2017-2018) e Terapia Intensiva pela Universidade de São Paulo (2018-2020).
Leia mais

Colaboração acadêmica

João Wiltgen

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Direitos reservados MedGuideXP - Desenvolvido por Surya MKT
Site atualizado em:
10:01 | 12/07/2024
Entre em contato